5 lições de marketing e relacionamento com David Beckham

5 lições de marketing e relacionamento com David Beckham

Não foi o talento sozinho que tornou David Beckham o jogador de futebol mais famoso e admirado em todo o mundo, com uma marca pessoal que vale centenas de milhões de dólares. Ganhar a vida com uma bola de futebol, algo que que reside apenas nos sonhos da maioria das pessoas, era claramente uma parte importante da marca do astro do futebol inglês, que anunciou sua aposentadoria neste final de semana. Mas, supondo que tenhamos encontrado algo no qual somos bons, o que podemos aprender com a habilidade de Beckham de transformar o “bom” em algo “grandioso”?

1. Nunca se considere maior que a sua equipe. Algumas pessoas excepcionalmente talentosas fazem tudo pelo coletivo. Beckham sempre deu muito crédito a seus companheiros de equipe. Ele não usou seus talentos para se mostrar, mas para criar oportunidades de gol para seus companheiros de equipe que as aproveitavam da melhor forma possível. O prazer do craque em compartilhar as glórias ao seu redor o permitia jogar bem com outros jogadores talentosos, o que ajuda a explicar como ele ganhou campeonatos na Inglaterra, Espanha, França e Estados Unidos. Sua ética de equipe ajudou a se reconciliar com os jogadores do LA Galaxy, que inicialmente se ressentiram do seu enorme salário. A frase mais comumente usada para se falar sobre ele, em geral proferida por outros esportistas, é “totalmente profissional”.

2. Conheça seus limites. Beckham tem sido amplamente elogiado como porta-voz não apenas para o futebol, mas para o esporte em geral, por exemplo, tendo ajudado o Reino Unido a conquistar o direito de sediar os Jogos Olímpicos de 2012. Ainda que, no início de sua carreira, sua voz tenha sido ridicularizada, e mesmo hoje ele raramente diz alguma coisa profunda. Ele parece ter aprendido a não se estender demais enquanto fala. Beckham nunca foi uma referência para “frases de efeito” inteligentes. Ele sempre se manteve simples, permaneceu constantemente bem humorado, e deixou que seus pés fizessem mais do que falar em campo.

3. Escolha bons conselheiros. Beckham teve uma equipe talentosa a seu redor, ajudando-o a construir e proteger sua marca, negociar contratos lucrativos e assim por diante. O fato de quase não lermos nada sobre a equipe que assessorava Beckham e o trabalho realizado para o craque diz tudo o que precisamos saber – e Beckham foi inteligente o suficiente para fazer tal escolha.

4. Nunca cometa o mesmo erro duas vezes. Ninguém é perfeito; o importante é aprender com os erros. Beckham cometeu pelo menos três erros que poderiam ter lhe causado sérios danos, mas cada vez que aprendeu a lição, saiu-se mais forte da crise. Primeiro, ele foi muito responsabilizado pela eliminação da Inglaterra da Copa do Mundo de 1996, após ter sido dispensado por ter acertado um chute em um adversário argentino. Posteriormente ganhou os fãs jogando melhor que nunca, e não mais deixando seu país na mão.

Em seguida, ele foi forçado a deixar o Manchester United, seu amado primeiro time, depois de cair com seu lendário treinador, Alex Ferguson (que também acaba de se aposentar). Beckham fez uma demonstração pública de dissidência, chamando a atenção para uma lesão na cabeça sofrida quando foi atingido por uma bota com um chute de Ferguson (um acidente, conforme foi alegado). Depois disso, aparentemente, Beckham se arrependeu e nunca mais fez publicamente qualquer crítica ao treinador de sua equipe.

Ele também aprendeu lições para sua vida pessoal. Após relatos de tablóides sobre um suposto caso amoroso, ele poderia ter sofrido danos de reputação semelhantes aos sofridos por Tiger Woods. Mas Beckham parece ter trabalhado seu casamento com a esposa popstar, Victoria (ex-Spice Girls), e seu status como modelo para pais modernos metrosexuais é mais forte do que nunca.

5. Sempre trate bem as outras pessoas. Parece óbvio, mas ao contrário de muitas estrelas do esporte, ou mesmo outras pessoas importantes, nunca ouvimos falar de Beckham ser outra coisa senão extremamente educado e cortês em suas relações, de figurões a pessoas comuns. Ele é universalmente considerado como “Mr Nice Guy“. A retribuição é parte da marca de Beckham muito antes do astro decidir doar todo o salário do Paris St Germain, seu último time, para a caridade.

Ele fará falta no futebol, mas pelas razões acima é provável que se mantenha no poderoso posto de modelo e identidade de marca por muitos anos.

Fonte: LinkedIn Articles

Deixe uma resposta

[index]
[index]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]