24h

Todos os dias

Rua Tenerife, 31 - 4º Andar

Vila Olímpia - São Paulo

(11) 3044-0710 / 3847-8920

contato@cwosp.com.br

Comparar listagens

Alguns Hábitos Simples que Levam a Ideias Criativas

Alguns Hábitos Simples que Levam a Ideias Criativas

Muito do que se parece com um gênio a uma certa distância acaba por se descobrir meticulosamente pensado quando chegamos mais perto. Isso é uma verdade em áreas que requerem alta visibilidade e desempenho perante o público, como esportes, música e literatura. Os campeões preparam a ascensão ao topo da carreira que escolheram com grandes hábitos e estratégias inteligentes para ficarem cada vez melhor e mais bem preparados.

E como isso acontece no mundo dos negócios? Como chegar a ideias criativas? Muitos executivos são surpreendentemente bons em detectar as próximas grandes tendências e capitalizar sobre elas. É fácil professar que isso deve ser fruto de uma mágica no trabalho – uma espécie de “presente dos deuses” que não cabe aos demais mortais. Mas e se, também aqui, o gênio se sobressair nos detalhes?

Por dois meses, George Anders estudou um dos líderes mais respeitados do setor de tecnologia da Califórnia, o presidente executivo da Workday Inc., Aneel Bhusri. O objetivo inicial era pesquisar a ascensão da empresa para um artigo da Forbes Magazine, que passou de uma startup conduzida por apenas dois funcionários para uma empresa de software com um valor de mercado de ações equivalente a 13 bilhões de dólares. Ele também tinha especial interesse em entender a poderosa parceria de trabalho entre Bhusri, então com 47 anos, e seu co-fundador, Dave Duffield, de 72 anos.

Bhusri ganhou notoriedade por uma série de decisões fundamentais para o sucesso da Workday, tais como se deveria basear seus negócios na nuvem – isso em 2005 – entrar para o mercado mobile, ou focar em grandes clientes globais, mesmo quando sua empresa ainda era muito pequena. Ao ver o CEO em ação, George Anders ficou impressionado com a sua capacidade de analisar grandes quantidades de informação – e sintetizar tudo em máximas simples que ajudam no curso diário de trabalho da Workday. Assim, no decorrer da pesquisa, Anders anotou pistas que poderiam levar a lições sobre como este chefe especial aguça seus insights para ideias criativas, e chegou a cinco hábitos hábitos simples que se destacam:

 

1. Saia do ambiente de escritório

Bhusri se mistura muito com empreendedores de startups, graças à sua segunda carreira como investidor de risco no Greylock Partners. Isso o mantém em contato com o “disruptive thinking” (conhecida por aqui como tecnologia disruptiva ou inovação disruptiva). Ele afirma que também aprende com outros parceiros do Greylock, particularmente aqueles associados com empresas de serviços de Internet. A Workday tem apostado agressivamente em interfaces coloridas e amigáveis ao usuário para o software. Isso não é uma decisão fácil de tomar quando se lida diretamente com especialistas de software empresarial; mas passa a ser mais simples quando conectada ao design thinking de sites como Facebook, Twitter e LinkedIn.

 

2. Contrate pessoas que irão surpreender você

A Workday tinha ambições globais desde o princípio. Assim, em seus primeiros seis meses, ampliou seus horizontes para além da grande concentração de engenheiros de software do norte da Califórnia. Recrutar colaboradores vindos da Alemanha, Brasil e de outros locais fora dos Estados Unidos ajudou a formar uma sólida base de ideias de projetos que poderia funcionar bem em todo o mundo, não apenas nos Estados Unidos. Bhusri e seu diretor de tecnologias móveis Joe Korngiebel reafirmaram este princípio uma segunda vez quando estavam à procura de engenheiros que pudessem desenvolver poderosas versões para iPad do software da empresa. Algumas contratações importantes foram de jovens prodígios de 22 anos de idade recém-saídos da faculdade, na crença de que esses “nativos digitais” poderiam pensar em soluções para iPad mais rápidas e mais ousadas do que seus colegas mais velhos que passaram anos trabalhando em projetos de desktop.

3. Erre (em primeiro lugar) pelo entusiasmo

Lance uma ideia para Bhusri, dizem seus colegas, e é provável que você seja retribuído com um: “Uau! Isso é realmente incrível!” Contudo, alertam eles, não deixe que os elogios subam à cabeça. Depois de um tempo refletindo sobre o assunto, Bhusri e sua equipe de liderança podem decidir que a nova ideia, afinal, não é tão viável assim. Mas, pelo menos no início, Bhusri está sempre ansioso para ver o que há de melhor em cada novo conceito. Esse entusiasmo ajuda a maturar com otimismo qualquer pensamento novo sobre um conceito ou projeto: afinal, é melhor deixar para dilapidar as ideias mais tarde do que repreender as pessoas de tal forma que tenham tanto medo de serem criticadas a ponto de não se sentirem à vontade para compartilhar com o chefe as expectativas sobre um determinado projeto ou conceito.

4. Batalhe e teste suas ideias com os clientes

Quais novas ideias são tão bem desenvolvidas que devem chegar ao mercado dentro de alguns meses? Quais precisam de alguns anos para amadurecer? Essa é uma batalha difícil para a maioria dos visionários, e as consequências de se antecipar o futuro em muitos anos podem ser graves. “Os clientes não podem sempre dizer quais novos produtos devem ser criados”, revela Bhusri. “Mas eles podem ser de valor inestimável para ajudar a antecipar o lançamento de novos produtos com o que o mercado está preparado para usar”, aconselha ele.

5. Leia muito – mas objetive algumas áreas para enfoque sistemático

Perguntei a Bhusri o que ele tem lido ultimamente, e ele precisou “scrolar” seu aplicativo Kindle algumas vezes antes de terminar de responder. Ele está constantemente em busca de insights sobre liderança, em meio a uma amostragem literária que inclui treinadores de futebol, técnicas militares, história dos EUA e a biografia de Steve Jobs – lida por ele duas vezes. Outro livro favorito é “As 22 leis imutáveis do Marketing”. E, ultimamente, ele tem encarado “um capítulo de cada vez” do Affordable Care Act (também conhecido como “Obamacare”, trata-se de um marco regulatório da saúde nos Estados Unidos). Bhusri acredita que sua empresa pode fazer mais para ajudar seus clientes a estar em sintonia com o que preconiza a nova lei que rege os planos de saúde dos EUA, por isso está disposto a trablhar duro através dela.

A lição a se levar em conta aqui não é tanto os títulos individuais de leitura escolhidos pelos CEOs, mas sim que o mais importante é a disciplina de ler profundamente como uma maneira de ganhar velocidade em novos domínios de conhecimento.

Fonte: LinkedIn Articles

 

img

Laura Lopes

    Posts relacionados

    Aprendendo a Lidar com o Perfeccionismo

    Você sabe o que quer dizer a palavra perfeccionismo? Existem pessoas que possuem uma enorme...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    Como identificar nossos 8 mecanismos de defesa mais comuns?

    Ser rejeitado de um emprego que você queria muito. Um ambiente social no qual você não se sente...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    15 dicas sobre como se manter motivado para realizar seus sonhos

    É fácil cair no hábito da procrastinação ou se distrair com assuntos triviais e sem...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    Participe da discussão