Benefícios do storytelling no contexto do coworking

Benefícios do storytelling no contexto do coworking

A humanidade tem se empenhado em contar histórias (ou “storytelling”, do termo popular em inglês) desde muito antes do advento da escrita. As crianças aprendem sobre o mundo ao seu redor através desta forma particular de comunicação, enquanto os idosos podem ordenar as histórias pessoais de suas vidas por meio dessa prática. Contar histórias é, por isso, uma ferramenta poderosa em grande parte devido ao seu uso contínuo sobre grande parte da história da humanidade. Sua capacidade de persuadir e mover indivíduos e grupos cresce de forma inata. Passando por todas as fases da vida, a narrativa assume diferentes papéis na vida das pessoas em todas as partes do mundo. É um meio infinitamente flexível, adaptável e relevante. Como freelancers e startups no contexto do coworking podem se beneficiar desses princípios?

Conheça a Coworking Offices!

Era uma vez havia um simpático gato que ganhava a vida como web designer freelance. Ele morava em uma dessas grandes cidades, onde parecia que todas as pessoas tentavam fazer exatamente a mesma coisa. Ok, ok, isso não soa como um bom começo para uma história – mas leia mais para aprender sobre o storytelling, melhorar suas habilidades, e entender por que isso que é importante.

No mundo corporativo, as técnicas de storytelling não são novidade. De campanhas publicitárias para a mediação de conflitos, as empresas têm empregado elementos de narrativa de histórias com sucesso, a fim de certificar-se de que o negócio corra bem e se mantenha rentável. Dito isto, é possível que as pessoas que trabalham em espaços de coworking também possam adotar alguns dos elementos do storytelling e se beneficiarem em seus trabalhos.

O storytelling fortalece laços

O storytelling, em sua forma mais pura e ingênua, fortalece as ligações entre filhos e pais, pessoas e culturas, e ideais e histórias. A repetição é muitas vezes utilizada para forjar esses laços. Mas não menos importante, são os elementos de suspense e ritmo, o uso de detalhes, e a invocação de uma identificação que gere empatia. Com tantos potenciais, não é de admirar que as técnicas de storytelling tenham sido adaptadas para muitas outras aplicações.

Técnicas orais de storytelling podem ser especialmente úteis para freelancers e startups. Elementos da história podem, por exemplo, ser utilizados no contexto de uma apresentação. Fatos secos podem ser a pura verdade nua e crua, mas uma história convincente em torno desses fatos envolve a mensagem e torna-a acessível ao público em geral. Quantas vezes você já se sentou para ver uma apresentação e e se sentiu entediado? Tão logo uma platéia ou indivíduo sintam o tédio se aproximando, é muito mais fácil para eles sair do ambiente ou procurar algo para se distrair.

Algo chato é facilmente esquecido, e, com todo o trabalho duro demandado por uma apresentação, essa é a última coisa que o autor da obra deseja. Elementos de história proporcionam substância a uma apresentação. Ao invés de ser plana, a tridimensionalidade é alcançada. Talvez os sentidos sejam evocados. O imaginário humano é quase pintado antes dos olhos da mente. Estes fatos oferecem uma definição permanente na cabeça das pessoas e podem ser facilmente lembrados por conta de uma associação automática.
Que tal não fazer muitas apresentações?

Mesmo que muitos freelancers não façam apresentações com frequência, a comunicação oral e o storytelling são habilidades valiosas em contextos mais informais. Compartilhar ideias e trabalhar com outras pessoas, fazer networking e ganhar clientes, tudo isso requer, no mínimo, um montante básico de interação humana. Contar histórias pode ajudar freelancers a construir uma forte imagem de si mesmos e de seus trabalhos aos olhos de quem os rodeia.
O storytelling neste contexto não significa inventar ou mentir sobre si mesmo; em vez disso, significa dizer o que seria dito de qualquer maneira de uma forma mais interessante. Incluir elementos de narrativa deveria, ao invés de distorcer verdades, mostrar ao público a importância da referida verdade, ou por que seu trabalho é necessário. Moldá-lo conforme uma história pessoal, ou até mesmo reenquadrá-lo a uma velha fábula tendo o seu argumento como foco central. Não há necessidade de reinventar a si mesmo: ao invés disso, reinvente a maneira como fala sobre si mesmo e o que pode oferecer aos seus clientes.

Por que os freelancers devem fisgar o storytelling como peixe na água

A grande notícia é que os freelancers são naturalmente hábeis no campo da inventividade. Eles são solucionadores criativos de problemas, e estão constantemente descobrindo e redescobrindo como fazer os seus próprios caminhos no mundo. Eles têm que formar suas próprias estruturas de trabalho, e mesmo quando não estão diretamente envolvidos em uma profissão criativa, ainda assim apresentam fortes traços de genialidade e bravura. Essas duas qualidades são exatamente o que é necessário para adotar o storytelling com sucesso como habilidade de comunicação oral, e felizmente também para os freelancers. Basta pensar na tarefa nos seguintes termos: por que não tentar inserir um pouco dessa criatividade natural em suas interações diárias com as pessoas ao seu redor? E se divertir com isso?
Aqui vão algumas dicas sobre apresentação oral que ajudarão a aprofundar a mensagem que comunicamos:

Caminhe devagar: não apresse a história. Pense em quão rapidamente as palavras saem da sua boca. Às vezes, falar rapidamente pode ser útil, mas certamente não o tempo todo. Frases lentas e dramáticas também podem sair meio aos trancos. Caminhar devagar também diz respeito à estrutura da história e em que ordem os componentes da história são revelados. Este é o lugar onde os elementos de suspense podem ser integrados com maestria se usados na dose certa.

Identificação: usar um protagonista permite que alguém em seu público se identifique com os eventos que estão sendo relacionados. Caracterizá-lo com falhas ou defeitos tornam ele ou ela mais humano, mais real; a responsabilidade moral também o torna uma figura um pouco mais tangível a ser notada.

Detalhes: as pequenas coisas contam, e é exatamente onde nasce o imaginário das pessoas. Além do visual, pense nos outros sentidos e em como eles podem ser incorporados à história de uma maneira poderosa e significativa. Os detalhes adicionam sabor e volume à estrutura de uma história que, de outra forma, seria pouco mais do que uma sucessão de eventos.

Economia na forma: em contraste com a importância dos detalhes, não se esqueça de que o muito pode rapidamente se tornar excessivo e não o suficiente para ser apenas a quantidade certa. Pense na eficiência e no poder da simplicidade. Acima de tudo, pense sobre o equilíbrio entre obter os detalhes suficientes para dar sabor à história, porém com um núcleo sólido que possa manter a história em movimento.

Composição: assim como uma pintura, uma história deve conter todos os elementos certos nos lugares certos. Enredo, personagem, conflito, tema e ambiente são alguns dos componentes básicos que compõem a base de uma história. Use-os de uma forma interessante, capaz de criar uma conexão emocional entre o seu público e a sua história.

Colocar em prática estes princípios pode parecer bastante desafiador. Pode parecer que há um série de ideias que são difíceis de sintetizar em um primeiro momento, mas, como sempre, a prática leva à perfeição, já diz o ditado.

Fonte: Deskmag / Desenho: Laila Cola Weeks

Deixe uma resposta

[index]
[index]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]