24h

Todos os dias

Rua Tenerife, 31 - 4º Andar

Vila Olímpia - São Paulo

(11) 3044-0710 / 3847-8920

contato@cwosp.com.br

Comparar listagens

O que acontece quando o ego fecha nossa mente e nós não nos tornamos cientes disso

O que acontece quando o ego fecha nossa mente e nós não nos tornamos cientes disso

Protestos. Nós os vemos. Nós discutimos. Alguns de nós até participam deles.

O mundo parece ter caído em uma espécie de estado de discussão permanente, na medida em que a ascensão do indivíduo ou mesmo grupos abertos ocupa o centro do palco em nossa política moderna.

Os verdadeiro fenômeno, no entanto, não é o grande número de pessoas exercendo seu direito à liberdade de expressão.

O fenômeno é o efeito que a expressão liberta produz, tanto sobre os praticantes quanto sobre os espectadores.

Gostamos de pensar sobre nós mesmos como pessoas de mente aberta, não importa o quão torta ou cansada nossa percepção possa ser.

Embora existam, sem dúvida, alguns cuja ação é pura – outros tomam a ideia de “abrir a cabeça” como uma forma de discriminação por si só.

Eles dobram suas crenças negativas, independentemente de quais informações adicionais possam ser recebidas, e levam ao ostracismo aqueles que se opõem a eles. Isso ironicamente faz com que a oposição reaja da mesma maneira.

A causa uma vez firme e justa, pode agora assumir a forma de um preconceito de mente fechada.

Isso efetivamente deixa todas as pessoas envolvidas na defensiva, com raiva, e se esforçando para se provar o tempo todo. Isso é comumente referido como o efeito do retrocesso.

Não nascemos para ter mente aberta


O Doutor Saul Levine, da Psychology Today, acredita que esse viés desenvolvido por nós pode se originar do nosso desejo interno de informações estritamente positivas e agradáveis.

Levine afirma que – “…esta Negação é semelhante à “Verdade”, de Stephen Colbert, na medida em que os que negam se recusam de maneira inflexível a aceitar fatos científicos verificados porque eles ficam no caminho de suas próprias ideias rígidas”.

Cada indivíduo quer acreditar ou manter algo que seja verdade para si, até como referência para o mundo. Naquele momento ainda havia uma resposta sensata e racional à informação adicionada e, portanto, uma capacidade de alterar uma opinião.

É quando nós forjamos uma conexão emocional com uma ideia ou crença, que a lógica não é mais um fator a se considerar no todo.

O objetivo é estar certo, apesar das informações que possam ser aprendidas e desmentidas.

Quando isso acontece, o indivíduo em questão não está mais lutando por uma causa justa, mas sim pelo seu ego, estabilidade e compreensão pessoal da verdade.

Isso, por sua vez, faz com que ele se afaste de qualquer coisa que possa estar em contrário, criando um ciclo interminável de frustração desviada e uma estagnação geral no crescimento mental e emocional.

O resultado é o velho conhecido pensamento de mente fechada.

Mas isso não significa que não possamos nos tornar pessoas com mente aberta


Quando permitimos que isso aconteça a nós mesmos, não só prejudica o nosso crescimento pessoal, mas também dificulta a educação e a vontade dos outros de verem um ponto de vista oposto (e melhor) de nós mesmos.

Uma vez que as emoções são trazidas para uma disputa racional, a disputa tende a se deslocar de um campo da razão para um ego e motivação autopropulsada.

Se pudermos parar antes de chegarmos a este ponto – podemos ter a chance de não só ver nossas vozes sendo ouvidas, mas ouvir os outros também, e possivelmente ganhar algumas ideias sobre por que existe tal barreira hostil em primeiro lugar.

Não há solução para um argumento quando você se recusa a aceitar a totalidade dele. Devemos – no mínimo – tentar entender e reconciliar nossas ideias com as do lado oposto.

No mínimo, um pouco de simpatia pode abrir a porta para uma conversa que realmente pode levar a uma solução.

Esteja disposto a sair de si mesmo, e você receberá o dom da compreensão


Assim, antes de se preparar para reclamar ou usar a conta do Twitter para queixar-se, ou ainda (muito comum no Facebook, convenhamos) passar horas desfiando lamúrias com outras pessoas que concordam com você:

– Você não pode resolver um problema, sem entendê-lo por completo
– O ego pode atrapalhar nossa visão do que é certo ou justo
– Nem todo mundo é inimigo, pode estar apenas mal informado
– Com a simpatia, você ganha um ouvido. Com a reivindicação, você perde a voz

É ótimo estar certo, está tudo bem em estar errado, é melhor entender e ser entendido

Seja calmo e verdadeiro em seus esforços. Esteja aberto às opiniões dos outros.

Procure ficar um pouco fora do seu próprio caminho também, o mais conhecido pelo menos. Permita que a razão intervenha quando suas emoções começarem a gritar. Torne-se uma pessoa verdadeiramente de cabeça aberta.



Fonte: Lifehack.org

img

Laura Lopes

    Posts relacionados

    Aprendendo a Lidar com o Perfeccionismo

    Você sabe o que quer dizer a palavra perfeccionismo? Existem pessoas que possuem uma enorme...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    Como identificar nossos 8 mecanismos de defesa mais comuns?

    Ser rejeitado de um emprego que você queria muito. Um ambiente social no qual você não se sente...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    15 dicas sobre como se manter motivado para realizar seus sonhos

    É fácil cair no hábito da procrastinação ou se distrair com assuntos triviais e sem...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    Participe da discussão