24h

Todos os dias

Rua Tenerife, 31 - 4º Andar

Vila Olímpia - São Paulo

(11) 3044-0710 / 3847-8920

contato@cwosp.com.br

Comparar listagens

Gestão de risco para quem assume riscos

Gestão de risco para quem assume riscos

Gestão de risco e projeto

O risco faz parte da vida diária. Assumir um risco muitas vezes pode ser gratificante, mas até onde isso significa que devemos tomar decisões sem avaliar consequências que, mais tarde, poderíamos ter que enfrentar sozinhos? Talvez você também tenha ouvido falar que os gestores de risco tornaram-se essenciais em grandes organizações. A Deskmag oferece algumas dicas retiradas de suas metodologias, o que permite executar rapidamente uma análise de risco própria e ser finalmente bem sucedida.

A análise de risco segue 4 passos simples: identificar, analisar, responder e controlar os riscos de um projeto. Ela está presente em todos os tipos de projeto e pode abranger todas as coisas que afetam a estabilidade do negócio – com mais de um impacto. O resultado desejado da análise de risco é o de propor uma lista de ações concretas. Você pode fazer esta análise de risco com sua equipe, o que irá assegurar que ninguém está ciente de todos os riscos que você está tomando em conjunto.

Um risco é ameaça ou oportunidade

O PMBOK, que é uma das bíblias do gerenciamento de projetos, define o risco como “um evento ou condição incerta que, se ocorrer, pode ter um impacto positivo ou negativo sobre o objetivo de um projeto, como tempo, custo, escopo, qualidade etc”. Na verdade, antes de começar a identificar o risco, é preciso lembrar que um risco pode ser uma ameaça ou uma oportunidade. Por exemplo, em japonês, a palavra “risco” e “oportunidade” são na verdade uma única palavra. Uma tipologia das diferentes categorias de risco seria:

– Financeiro: o que aconteceria se não houver um apoio final do investidor?
– Legal: alguém pode ter roubado sua ideia, o que você vai fazer?
– Político: um novo padrão ou uma nova tributação será definida em seu país, e você precisa estar preparado para isso.
– Física: seu escritório está situado em uma zona de terremoto, o que é muito ruim.
– Intangível: você pensou que aprender a programar iOS seria muito mais fácil…
– Técnico: você sabia que haveria alguns problemas de Internet nesta parte do mundo?

E por fim, um risco tem que ser diferenciado de um problema, que, segundo o PMBOK, é “uma questão ou desacordo, ou uma questão que não está resolvida e está em discussão”.

Identificação de riscos: oportunidade

Identificar riscos é a chave para o sucesso. Primeiro, faça uma lista dos 20 riscos que considera uma possibilidade real. Uma vez que tenha identificado todos os riscos, saiba como priorizá-los em termos de probabilidade de ocorrência e impacto (de baixo a crítico) e disponha-os de acordo em uma matriz (foto).
Encontre a resposta positiva

Aqui chegamos à parte mais importante do trabalho, onde possuímos múltipla escolha de resposta para cada risco de acordo com a posição na matriz: evitá-lo, transferi-lo, aceitá-lo, ignorá-lo, mitigá-l ou entendê-l como um evento contingente. Alguns exemplos de riscos com baixo impacto e probabilidade podem ser simplesmente ignorados, enquanto os riscos de alto impacto e probabilidade devem ser evitados.

Escolher evitar um risco consistirá em eliminar a ameaça no início do projeto. Também é possível optar por transferir a responsabilidade do risco para outra parte, o que basicamente significa que você terá que investir em seguros ou aceitar o risco e as consequências, admitindo-os com o resto da sua equipe. Mas, se você optar por definir um plano de mitigação ou de contingência, aqui vão alguns aspectos especiais nos quais se concentrar.

Plano de contingência vs plano de mitigação

Como primeira possibilidade, podemos optar por reduzir o impacto de risco com o chamado plano de contingência. Este plano deve listar todas as ações que devem ser feitas a fim de identificar o que leva ao risco. Como segunda possibilidade, podemos optar por reduzir a probabilidade do risco por meio de ações realizadas com antecedência e, em seguida, criar um plano de mitigação para colocar em ação quando o risco se materializar. Mas, ainda assim, estes dois planos devem determinar claramente a data de impacto, atribuir proprietários de ações, ser monitorizados regularmente e possuir recursos suficientes.

Se você estiver trabalhando em uma equipe, poderia ser desafiador tentar envolver todos em uma análise de risco, ja que as pessoas muitas vezes não querem perder tempo se focando em algo que “talvez” possa acontecer. “Por que não se concentrar no que está acontecendo agora?” ou “por que ser tão pessimista?” provavelmente serão os argumentos que você irá ouvir muito. É por isso que, mesmo quando sua equipe entende a importância da análise de risco, é importante comunicar regularmente sobre a evolução ou o acompanhamento do seu plano.

Fonte: Deskmag

img

Laura Lopes

    Posts relacionados

    Como levar o dia-a-dia de uma forma mais positiva

    A pressa diária e os desafios que a vida apresenta pode tornar o dia de qualquer...

    Continue lendo
    por Nucleo P - Soluções Digitais

    Como levar o dia-a-dia de uma forma mais positiva

    A pressa diária e os desafios que a vida apresenta pode tornar o dia de qualquer um estressante....

    Continue lendo
    por Fabio Baptista

    Como programar a mente para eliminar os maus hábitos

    Maus hábitos tornaram-se tão arraigados no comportamento cotidiano das pessoas que, no final do...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    Participe da discussão