24h

Todos os dias

Rua Tenerife, 31 - 4º Andar

Vila Olímpia - São Paulo

(11) 3044-0710 / 3847-8920

contato@cwosp.com.br

Comparar listagens

Startups em The First 6 Months: 3 mitos desvendados

Startups em The First 6 Months: 3 mitos desvendados

Startups em The First 6 Months , um encontro organizado pela TiE Bangalore com o intuito de obter insights de uma audiência de empresários e profissionais experientes. Este post, no entanto, é mais sobre alguns aprendizados comuns compartilhados, em que empreendedores se prendem a certos mitos e crenças que acabam por se mostrar serem falsos ou exagerados.

Startups em The First 6 Months: Financiamento é sinônimo de sucesso

Há muito buzz envolvendo as startups que recebem financiamento ou que são vendidas. Embora estes possam ser marcos na jornada de uma startup e ajudar em termos de visibilidade da marca, eles não garantem maiores receitas ou a adoção de seus produtos.

Além disso, as startups podem querer que o foco seja mais sobre seus produtos e não sobre a atenção desproporcional e o tempo gasto no processo de financiamento.

Também pode haver outra armadilha – os fundadores podem começar a concentrar-se mais nas métricas que interessam a potenciais investidores, e não nas estratégias de aquisição de produtos ou clientes. Se o aplicativo web de uma startup gera o máximo de interesse e engajamento nos usuários, não há necessidade de gastar tempo e dinheiro na construção de um aplicativo móvel nativo, como sugerido por alguns investidores. Afinal, a validação dos clientes é o que garante o sucesso a longo prazo.

Startups em The First 6 Months: Toda mentoria é boa

 

Em um evento recente realizado pelo Axilor Transit, um dos “brindes” do crowdsourcing incluía panelistas compartilhando suas visões sobre como a mentoria pode ser perigosa. Por exemplo, Ravi Gururaj (QikPod, TiE, NASSCOM) acredita que há muitos “mentores de poltrona” e que o excesso de conselhos pode confundir empreendedores a tomarem decisões erradas. Este ponto de vista foi compartilhado por outro panelista do evento, Meena Ganesh (Portea, GrowthStory), para quem “muitas pessoas estão praticando a mentoria por aí sem que estejam devidamente credenciadas sobre como realizar essas mentorias”.

Nas entrelinhas: pode simplesmente não valer a pena engajar-se com mentores que estejam muito ocupados ou não estejam interessados em se envolver com o produto ou com a empresa.

Startups em The First 6 Months: Eventos não agregam valor

Esta pode ser uma crença popular, especialmente em Bengaluru. No mundo das startups, o tipo de conselho que uma pessoa recebe pode incluir ambos os extremos – pessoas que lhe dizem para não assistir a nenhum evento e aquelas que sugerem que você assista a todo e cada evento.

Tendo participado de uma série de eventos na última década em várias capacidades (como co-organizador, blogger, panalizador, expositor, etc.), eu diria que é importante fazer a lição de casa antes de participar de eventos.

Os eventos só podem agregar valor se alguém puder obter algo deles – novos aprendizados, validação de produtos, conexões úteis (potenciais clientes, talentos) ou visibilidade entre as partes relevantes interessadas. Recentemente, temos investigado os eventos para entender o tipo de valor que diferentes partes interessadas podem se beneficiar deles. Por exemplo, descobrimos que os organizadores estão cada vez mais conscientes das expectativas de um evento; alguns estão envolvidos com participantes potenciais muitos dias antes de um evento acontecer.

Startups em The First 6 Months: Juntando tudo

Os primeiros 6 meses (e os meses seguintes também) podem ser estressantes, especialmente se os fundadores forem usados em um ambiente de trabalho predefinido e forem incapazes de lidar com os desafios diários de executar uma startup. Nos primeiros dias, um será cercado por negociações em torno do financiamento, uma série de conselhos e várias reuniões de startup – tudo isso pode desempenhar um papel na forma como você avança em seu projeto. Embora ajude a reunir perspectivas variadas, ser “você mesmo” e “fazer o que ama” – o lema de muitos espaços de coworking – pode ajudá-lo a não apenas sobreviver, como também aproveitar o que seria uma verdadeira viagem de montanha-russa.

Fonte: YourStory

 

img

Laura Lopes

    Posts relacionados

    Como levar o dia-a-dia de uma forma mais positiva

    A pressa diária e os desafios que a vida apresenta pode tornar o dia de qualquer...

    Continue lendo
    por Nucleo P - Soluções Digitais

    Como levar o dia-a-dia de uma forma mais positiva

    A pressa diária e os desafios que a vida apresenta pode tornar o dia de qualquer um estressante....

    Continue lendo
    por Fabio Baptista

    Como programar a mente para eliminar os maus hábitos

    Maus hábitos tornaram-se tão arraigados no comportamento cotidiano das pessoas que, no final do...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    Uma ideia sobre “Startups em The First 6 Months: 3 mitos desvendados”

    • Kickstarter: 5 fracassos de empreendedores por INC I Coworking Offices

      19 de dezembro de 2017 a 21:55

      […] de que não se tem ideia do que são até ouvir uma descrição deles. Para empreendedores, as lições são claras e válidas, mesmo se você não estiver usando […]

      Responda

    Participe da discussão