Você Tem Mais Tempo Para Ser Criativo Do Que Imagina

Você Tem Mais Tempo Para Ser Criativo Do Que Imagina

Agora mais do que nunca, a criatividade está em alta. Mas, como manter o trabalho estressante do dia-a-dia e ainda encontrar tempo para ser criativo? Muitas vezes parece impossível unir as duas coisas.

De acordo com Elizabeth Gilbert, autora de “Big Magic: Creative Living Beyond Fear” (em tradução livre, algo como: “A grande mágica: viver de forma criativa indo além dos nossos medos”), todos nós na verdade temos tempo para sermos criativos, mas é mais provável que desperdicemos isso ao longo do caminho. “A sabedoria convencional sobre a criatividade é realmente enganosa”, afirma ela, em uma entrevista para a Harvard Business Review. Não há necessidade de cultivar uma intensa paixão ou passar o tempo trancado em uma cabana na floresta para obter bons resultados no campo da criatividade, de acordo com o que preconiza a escritora.

Abaixo, ela explica o porquê:

Mantenha o foco na curiosidade, não na paixão

Se você se sente como se estivesse preso em uma armadilha criativa, diz Gilbert, isso muitas vezes vem acompanhado por uma sensação de que você perdeu a sua paixão. “O truque para reacender a chama é deixar ir embora a ideia de paixão e, em vez de se concentrar nela, mudar o foco para a ideia de curiosidade”, afirma a escritora. A curiosidade é algo fácil de induzir. Ter assuntos sobre os quais você tem curiosidade em saber “não significa que você precise raspar a cabeça, mudar seu nome ou pedir demissão; é mais como uma caçada, onde você está procurando sementes minúsculas”, afirma ela. Se você reservar um tempo para mergulhar nesses assuntos, irá encontrar a “chama criativa” mais cedo do que você imagina.

Ter as duas coisas

Todos nós sonhamos em pedir demissão para focar naquilo em que somos apaixonados por fazer. Mas a vida raramente funciona dessa forma. Gilbert diz que devemos aprender a sermos criativos e a trabalhar e ganhar dinheiro ao mesmo tempo. Lidar com responsabilidades mundanas como contas a pagar é algo necessário, mas “isso não significa que você não deva ter qualquer aspecto criativo de sua vida aflorado. Defina o alarme meia hora mais cedo todos os dias e se debruce sobre aquele livro ou aquela nova ideia de negócio”, sugere ela.

Tornar a criatividade parte do dia a dia

Gilbert diz ainda que a parte boa é que é possível nos propiciarmos o momento para sermos criativos, mas isso também envolve sacrifícios- pular aquela festa no fim de semana, deixar de ver os programas favoritos nas noites de domingo, ou ainda acordar cedo para fazer outras coisas antes de sair para o trabalho. “Uma hora por dia é uma quantidade enorme de tempo”, diz ela. “Imagine se você estudar francês uma hora por dia – como terá aprimorado seus conhecimentos no idioma? Estes pequenos passos todos os dias são críticos.”

Um conselho de Einstein

Se você se sente preso em uma armadilha criativa, tome um conselho de Albert Einstein, diz Gilbert. O famoso cientista praticava o que ele chamou de “jogo combinatório” – ele tocava violino sempre que se sentia preso em um problema de matemática. Ele acreditava que esse tipo de estimulação abriria diferentes canais em sua mente, permitindo que ele “tocasse” sua criatividade. “Já reparou como as ideias chegam para você quando está dirigindo, ou quando está no chuveiro? Isso acontece porque você está relaxado, e sua mente é então liberada para deixar as ideias fluirem melhor”, diz Gilbert. “O jogo combinatório pode ser qualquer coisa – um jogo de basquete que estiver acontecendo em sua cidade naquela noite ou dia, uma receita nova que gostaria de aprender, um exercício com cerâmica, ou apenas rabiscar poemas e rabiscos ou ainda fazer uma caminhada.”

Fonte: INC.com

Deixe uma resposta