24h

Todos os dias

Rua Tenerife, 31 - 4º Andar

Vila Olímpia - São Paulo

(11) 3044-0710 / 3847-8920

contato@cwosp.com.br

Comparar listagens

Pensamentos Negativos: como desconectar a sua mente

Pensamentos Negativos: como desconectar a sua mente

Sua mente, seus pensamentos

Todos nós somos em grande parte responsáveis pela nossa própria saúde emocional e bem-estar.

O que isso significa? Que o que dizemos a nós mesmos por dias, semanas, meses e às vezes anos, tem um efeito dramático sobre a forma como vemos a nós mesmos.

Isso também contribui para muitos dos distúrbios de saúde mental que observamos hoje em dia: o que escolhemos que siga nos acompanhando em nossa mente permanece lá, e há um problema real quando começamos a aceitar e por vezes embasar os pensamentos negativos que temos sobre nós mesmos.

Rita Schulte é conselheira profissional e conta como descobriu o quão poderoso é o efeito do condicionamento enquanto ouvia músicas antigas no rádio. “Rapidamente me surpreendi com a rapidez com que se recordava de letras que não ouvia em décadas. Como poderia se lembrar de todas aquelas letras de tanto tempo atrás?

Simples: porque eu estava condicionada a elas. Eu ouvia e cantava aquelas palavras dia após dia no que parecia ser uma eternidade, até que elas fossem queimadas em minhas células cerebrais, e algumas dessas músicas antigas até mesmo provocavam fortes sentimentos em mim enquanto fazia uma rápida viagem pela estrada da memória.

A mente é uma coisa poderosa, e, em um nanossegundo, pode elevar ou esmagar nosso humor por conta das crenças subjacentes aos nossos sentimentos. 

Se você acha que eu estou brincando, experimente por si mesmo: pense em uma música antiga, ou mesmo na letra de um de uma de suas canções favoritas. E o que tudo isso tem a ver com a nossa saúde emocional? Simplesmente, tudo.

Pensamentos negativos

Muitos de nós têm problemas com pensamentos negativos habitando nossas mentes, mas se você abrir espaço para eles de forma consistente, e acreditar neles, isso pode corroer nosso senso de auto-estima.

Abaixo algumas crenças que indicam que você pode precisar mudar sua mente de estação:

“Eu sou um perdedor”

“Eu não sou bom o suficiente”

“Eu não mereço…”

“Ninguém gosta de mim”

“Eu não consigo manter relacionamentos”

“Eu sou um fracasso”

Os pensamentos negativos evocam sentimentos ruins e nos levam a acreditar que o que aquelas velhas fitas tocam em nossa cabeça seja realmente verdade. Em suma, isso remete o foco para nossos fracassos, o que por fim nos leva a lugar algum.

O que você pode fazer para evitar tudo isso?

Abaixo algumas sugestões:

Observe quando aquela mesma velha música começar a tocar, e mude o canal

Nossos “diálogos internos”, ou com nós mesmos, é algo tão sutil que muitas vezes não percebemos seu efeito sobre nosso humor e crenças pessoais – como escrito anteriormente, uma música pode evocar toda uma série de pensamentos e memórias.

Coisas importantes a observar são declarações do tipo “se ao menos…”  e “…se tivesse feito…”: a primeira nos mantêm presos ao passado com pesar, enquanto a segunda nos confere medo do futuro.

Isso porque não há nada que possamos fazer a respeito do passado, e o futuro ainda não está aqui, então procure permanecer sempre no momento presente.

Visualize as coisas boas

Três bolas de sorvete: chocolate, baunilha, morango. Abacaxi fresco esmagado e morangos, com um fudge de chocolate quente delicioso. Banana madura e macia por cima. Chantilly fresco e uma cereja vermelha suculenta por cima.

Pegou a ideia? Agora, você não está apenas pensando na banana split, você pode prová-la.

Se queremos mudar as fitas negativas que brincam perigosamente com nossos pensamentos, nós temos que nos visualizar positivamente – isso significa nos vermos sem julgamentos.

Imagine-se aceitando a si mesmo. Como seria isso? Desenhe uma imagem em sua mente e procure expandi-la ao máximo.

Reconheça que as ações sempre seguem crenças pessoais

Tudo aquilo em que acreditamos iremos experimentar mais e mais, e você também vai notar que se comporta de maneiras que são congruentes com suas crenças pessoais.

Então, comece a acreditar no melhor sobre si mesmo: aja como se você acreditasse que de fato é uma pessoa valiosa e digna. E isso, magicamente, é o que aos poucos, com o tempo e verdadeiramente irá também atrair para si.

Preste atenção nos gatilhos mentais

Gatilhos mentais são tudo aquilo que pode fazer com que aquelas velhas fitas voltem a tocar em seus pensamentos. Se uma determinada pessoa representa um gatilho mental para você, defina barreiras para não ser diretamente atingido por maus pensamentos.

Desenvolva declarações positivas para refutar o diálogo interno negativo

Em vez de sempre colocar-se para baixo em seus pensamentos, pense em algumas coisas que realmente gosta sobre si mesmo.

Quais são os seus pontos fortes, suas especialidades, no que você é bom de fato?

Desenvolva declarações positivas requer que você tenha um certo grau de crença na sua veracidade. Mantenha suas declarações no aqui-e-agora: em vez de dizer “eu não sou bom o suficiente”, procure dizer: “Eu sou capaz. Eu sou bom em ______. Eu me aceito do jeito que eu sou”.

Pensar mal acerca de si mesmo nos leva a lugar algum e é algo extremamente limitante. Decida hoje desligar o canal de pensamentos negativos em sua mente e comece desenvolver seu verdadeiro potencial.

Volte-se para você: se tem lutado contra pensamentos negativos, como você pode superá-los e partir em busca de atingir seu pleno potencial?

Fonte: Lifehack

img

Laura Lopes

    Posts relacionados

    Aprendendo a Lidar com o Perfeccionismo

    Você sabe o que quer dizer a palavra perfeccionismo? Existem pessoas que possuem uma enorme...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    Como identificar nossos 8 mecanismos de defesa mais comuns?

    Ser rejeitado de um emprego que você queria muito. Um ambiente social no qual você não se sente...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    15 dicas sobre como se manter motivado para realizar seus sonhos

    É fácil cair no hábito da procrastinação ou se distrair com assuntos triviais e sem...

    Continue lendo
    por Laura Lopes

    Participe da discussão